Eu passarinho...

"Todos esses que aí estão
Atravancando meu caminho
Eles passarão...
Eu passarinho!" Mário Quintana

Home Ask Submit escritos Archive

A verdade é que sou tóxica, minha tristeza é contagiosa. 

Eu poderia olhar nos seus olhos e te pedir pra ficar. Mas isso soaria tão falso que você apenas fugiria mais rápido.
Acontece que não quero implorar por nada, muito menos por companhia. Eu aceito a solidão, pois ela sempre fica.

A.N

Eu sinto em mim uma dor profunda, apenas por existir.

“Você é aquilo que ninguém vê. Uma coleção de histórias, estórias, memórias, dores, delicias, pecados, bondades, tragédias, sucessos, sentimentos e pensamentos. Se definir é se limitar. Você é um eterno parênteses em aberto, enquanto sua eternidade durar.”

-Machado de Assis.   

“Minhas paranoias são graves
O meu grito é interno
A guerra é mental
Diga-me então:
Prevaleço forte
Heroína sou, ou não?”

-G.   

“O amor comeu meu nome, minha identidade, meu retrato. O amor comeu minha certidão de idade, minha genealogia, meu endereço. O amor comeu meus cartões de visita. O amor veio e comeu todos os papéis onde eu escrevera meu nome.
O amor comeu minhas roupas, meus lenços, minhas camisas. O amor comeu metros e metros de gravatas. O amor comeu a medida de meus ternos, o número de meus sapatos, o tamanho de meus chapéus. O amor comeu minha altura, meu peso, a cor de meus olhos e de meus cabelos.
O amor comeu meus remédios, minhas receitas médicas, minhas dietas. Comeu minhas aspirinas, minhas ondas-curtas, meus raios-X. Comeu meus testes mentais, meus exames de urina.
O amor comeu na estante todos os meus livros de poesia. Comeu em meus livros de prosa as citações em verso. Comeu no dicionário as palavras que poderiam se juntar em versos.
Faminto, o amor devorou os utensílios de meu uso: pente, navalha, escovas, tesouras de unhas, canivete. Faminto ainda, o amor devorou o uso de meus utensílios: meus banhos frios, a ópera cantada no banheiro, o aquecedor de água de fogo morto mas que parecia uma usina.
O amor comeu as frutas postas sobre a mesa. Bebeu a água dos copos e das quartinhas. Comeu o pão de propósito escondido. Bebeu as lágrimas dos olhos que, ninguém o sabia, estavam cheios de água.
O amor voltou para comer os papéis onde irrefletidamente eu tornara a escrever meu nome.
O amor roeu minha infância, de dedos sujos de tinta, cabelo caindo nos olhos, botinas nunca engraxadas. O amor roeu o menino esquivo, sempre nos cantos, e que riscava os livros, mordia o lápis, andava na rua chutando pedras. Roeu as conversas, junto à bomba de gasolina do largo, com os primos que tudo sabiam sobre passarinhos, sobre uma mulher, sobre marcas de automóvel.
O amor comeu meu Estado e minha cidade. Drenou a água morta dos mangues, aboliu a maré. Comeu os mangues crespos e de folhas duras, comeu o verde ácido das plantas de cana cobrindo os morros regulares, cortados pelas barreiras vermelhas, pelo trenzinho preto, pelas chaminés. Comeu o cheiro de cana cortada e o cheiro de maresia. Comeu até essas coisas de que eu desesperava por não saber falar delas em verso.
O amor comeu até os dias ainda não anunciados nas folhinhas. Comeu os minutos de adiantamento de meu relógio, os anos que as linhas de minha mão asseguravam. Comeu o futuro grande atleta, o futuro grande poeta. Comeu as futuras viagens em volta da terra, as futuras estantes em volta da sala.
O amor comeu minha paz e minha guerra. Meu dia e minha noite. Meu inverno e meu verão. Comeu meu silêncio, minha dor de cabeça, meu medo da morte.”

-João Cabral de Melo Neto 

Mística

No declive da escarpa, os anjos giram suas roupas
de lã sobre os relvados de ouro e esmeralda.
Prados de flamas saltam até o alto da colina.À
esquerda, o terraço da aresta é pisado por todos
os homicidas e todas as batalhas, e todos os rumores
desastrosos tecem sua curva. Atrás da aresta direita,
a linha dos orientes,dos progressos.
E, enquanto a banda no alto do quadro é formada pelo
rumor giratório e saltitante das conchas marinhas e
das noites humanas,
A doçura florida das estrelas e do céu e do resto desce
da escarpa, como um cesto, - contra nosso rosto,e faz o
abismo florido e azul lá embaixo.

- Arthur Rimbaud, no livro “Iluminações” - [introdução, tradução e notas: Lêdo Ivo]. Edições Francisco Alves, 3ª ed., 1985.

Dedicatória

Pobre de mim

Livro de asas largas
Ao longo de mim
procurei por ti
No oceano sem fim
sombrio e eterno
Nas terras desconhecidas
No alto inverno
Quase sem forças, cai alí
em páginas abertas
Quando no último pranto
Um pássaro em minhas páginas pousou
Falou-me com seu canto
Morreste amando
Morreste lutando
Morreste feliz.

-WHO

“Falta-me a primeira condição da paz interior: eu não creio na sinceridade dos outros.”

-Machado de Assis